top of page
Buscar

Mapa de Controle de Frequência




A Associação vem tentando há duas semanas interagir com a Superintendência de Gestão de Pessoas – SEEDUC/SUPGP com vistas a, mais uma vez, solucionar o problema relativo a entrega dos Mapas de Controle de Frequência – MCF.

Mesmo antes da pandemia, a ADERJ já vinha propondo alternativas para a simplificação da entrega desse documento. Assim, desde o ano passado o MCF vinha sendo entregue através de e-mail, uma simplificação modesta diante de tantas outras mais modernas e condizentes com a realidade tecnológica que hoje se desfruta, ainda assim, a medida facilitou a entrega.

Porém, no mês corrente, novamente está sendo requerida a entrega física do documento.

Pior ainda, algumas Regionais, estão solicitando que sejam reimprimidos, preenchidos e entregues fisicamente, todos os mapas de controle de frequência que foram enviados por e-mail desde março de 2020 até outubro de 2021.

Faltam palavras para traduzir o tamanho absurdo desta ação!

Gasto de papel, horas de trabalho de servidor, desperdício, retrabalho, retrocesso, enfim, uma repetição inútil de tarefa, derivada da incapacidade da SUPGP e de algumas Coordenadorias de Gestão de Pessoas de ocultar o apego à ações administrativas antiquadas, contraproducentes, e absolutamente descompassadas com que há de minimamente contemporâneo no dia a dia de uma Administração que se pretende Eficiente.

O Princípio da Eficiência é dirigido a toda Administração Pública, possuindo duas interpretações. A primeira está intrinsecamente ligada ao modo de atuação do agente público. Já a segunda interpretação, está relacionada diretamente com a maneira estrutural, organizacional e disciplinar da Administração Pública, também com a finalidade de alcançar os melhores resultados na gestão pública, para que o bem comum seja alcançado da forma mais adequada. Qualquer que seja a acepção do referido Princípio, constata-se sua flagrante violação no caso aqui relatado.

A Eficiência se alcança quando se associam a celeridade, a simplicidade, a economicidade e a prestabilidade. Mais uma vez, observa-se o desatendimento de qualquer desses vetores, ao se exigir que em pleno Século XXI um servidor público se desloque de sua Unidade para realizar a entrega física de um documento, que com certeza será arquivado nas pilhas e pilhas de caixas de papelão que se amontoam nas regionais.

Além desses absurdos ainda ocorre outro problema que a SEEDUC não consegue resolver: cada Coordenadoria Regional adota suas próprias regras, em mais uma demonstração do verdadeiro “feudalismo administrativo” que se instalou, sem congênere conhecido.

Lamentável situação.

11 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Nota

Publicou-se, no DOERJ, a Resolução SEEDUC n.6269/24 que alterou a redação do parágrafo 5º do art. 40 da Resolução SEEDUC n. 6252/24 que regulamentou o processo consultivo para designação de diretores

Sobre o Procedimento de Migração I.

Sobre o Procedimento de Migração I. Estamos recebendo muitas dúvidas de colegas sobre a Migração. A ADERJ tem evitado expor sua interpretação e avaliação tendo em vista que este assunto tem conexão di

Comments


bottom of page