Buscar

Lei da Migração (30 horas)





No dia 28 de março ocorreu mais uma reunião do Grupo de Trabalho instituído com a finalidade de regulamentar a denominada lei da Migração (30 horas).

A ADERJ foi representada por sua vice-presidenta Prof. Ana Maria Conde.

Evolui-se muito pouco.

Infelizmente, prevaleceu a posição da SUPGP no sentido de excluir os diretores e os demais servidores extraclasse da possibilidade de migração, com o aceno de que até poderiam migrar, caso deixem as funções extraclasse que exercem e se “comprometam” a permanecer no mínimo dez anos em regência de turma. Sem comentários!

A ADERJ não contou com o apoio do Sindicato dos Professores no sentido de pressionar a SEEDUC para contemplar os professores extraclasse. Afinal, todos são professores!

Mais uma vez, após tantas outras, restou bem claro o descaso da atual Gestão de Pessoas para com os profissionais da Educação que ocupam funções extraclasse.

Não estamos falando apenas dos Diretores e Diretores Adjuntos, mas também de Coordenadores, Orientadores, Secretários, Agentes de Leitura, Agentes de Pessoal, além dos inúmeros professores que trabalham em outras funções administrativas, nas escolas e nas Regionais.

Comprova-se o óbvio. Os professores que exercem funções extraclasse não são dignos de atenção.

São dignos apenas para trabalharem quarenta horas e muito além, sem remuneração condizente com a jornada; são dignos para receberem “gratificações” que estão congeladas há mais de oito anos; são dignos para enfrentarem todas as dificuldades cotidianas da Escolas como agressões, xingamentos e ofensas; são dignos para se exporem a toda sorte de aviltamentos e ameaças são dignos para serem pressionados, cotidianamente, com demandas absurdas, extenuantes, repetitivas, são dignos, enfim, para serem professores “extraclasse”, naquela visão bem antiquada, e que ainda perdura em alguns departamentos de “recursos humanos” da Secretaria e entre alguns membros da categoria, de que estar “extraclasse” significa “não fazer nada”.

Caminhamos a passos largos para, em futuro bem próximo, as escolas contarem apenas com alunos e professores docentes, já que as demais funções de magistério, de caráter administrativo e pedagógico, se tornarão tão pouco atrativas, que nenhum professor se interessará em assumi-las.

A ADERJ solicitou que ficasse consignado em Ata a discordância da Associação com essa decisão discriminatória e que com certeza, causará a judicialização do tema, pois a discricionariedade administrativa tem limites impostos pelos tribunais.

Os cargos em comissão tem limites impostos pelo tempo.

As decisões políticas equivocadas tem limites impostos pelas urnas.





40 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Todos os dias, nossos Diretores enfrentam as maiores adversidades e os maiores desafios! Assoberbados de tarefas e com imensa responsabilidade, dedicam todo seu esforço para oferecer o que de melhor p